vislumbres sobre visualidade

Posts Tagged ‘Revista Época

No post anterior, apresentei alguns infográficos sobre os dados da pobreza no Brasil divulgados pelo IPEA. Vamos prosseguir com este tema. Logo abaixo, vemos o infográfico publicado na Revista Época online no dia 13, data em que o trabalho do IPEA foi publicado. Ele é superior ao do Estadão principalmente por dois motivos. Em primeiro lugar, há um esquema de cor que agrupa a pobreza absoluta, separando-a da pobreza extrema de um modo que fica mais fácil vislumbrar o comparativo dos anos analisados. Em segundo lugar, há um balão que detalha o percentual da maior e da menor queda da taxa de pobreza extrema. Uma informação adicional que amplia a compreensão do gráfico.

Pensando no infográfico da Época (acima) e nos demais que foram postados ontem, me perguntei o porque da “coincidência” de um mesmo tipo de convenção na representação dos dados. Encontrei a resposta no material distribuído pelo IPEA: a mesma forma de organização em barras. Reproduzo abaixo a tela do pp distribuido pelo IPEA e que serviu de base para a maioria dos infográficos produzidos.

Finalmente, assisti ao Jornal Nacional para ver como o principal programa jornalístico da TV aberta apresentaria os dados da diminuição da pobreza no Brasil. É importante ressaltar que estamos tratando de uma outra midia, capaz de apresentar a informação de forma sequencial, ou seja, ao “leitor” não lhe é oferecido a escolha do que irá ler e em que ordem. Assim, na parte da matéria do JN em que houve interferência da arte, assistimos a um detalhamento do que é pobreza extrema (1/4 do salário mínimo por pessoa) para, em seguida, vermos a apresentação de um gráfico da diminuição desta faixa de miseráveis. O gráfico é bem produzido (em 3D), mas está sobre um fundo excessivamente escuro e poderia se organizar de outra maneira de forma a evidenciar as diferenças. A seguir, o JN informa o que esta diferença significa em número de pessoas, uma informação muito útil e importante mas que poderia ter sido apresentada na continuidade do próprio gráfico de barras e não em uma outra tela.  Em seguida, o que é muito o perfil da mídia TV, exemplifica-se comparativamente duas região (e não todas, como na internet) e dois estados. Para cada conjunto de dados, o mapa do Brasil se move (TV é movimento!). Algo dispensável.

Anúncios