vislumbres sobre visualidade

Posts Tagged ‘informação

Quintura permite que você digite um termo para busca e oferece 2 tipos de visualização: em um deles, é apresentado uma nuvem de tags e em outro, os resultados de forma padrão (ordenados verticalmente por importância. No exemplo, a busca por “música” trouxe-nos uma nuvem com links como “entretenimento” e “youtube” e, abaixo, “Youtube Music” e “Last.FM”.

 

  • In: visualização
  • Comentários desativados em Universo de relações

Universe é um grande aplicativo para visualizar o “universo” de termos pesquisados. Existem alguns termos disponíveis como exemplo, e é possível digitar qualquer um de sua preferência. Como o próprio nome já sugere, essa visualização ambienta toda a pesquisa no espaço, permitindo que o usuário viaje pelas estrelas próximas e descubra novos itens relacionados. Além desse padrão visual (espaço), é possível alternar para visualizações em formas, palavras, histórias, depoimentos, entre outros.

O  TwittEarth é uma ferramenta que mostra tweets ao vivo por todo o mundo, utilizando como interface  uma esfera  que representa o nosso planeta. Esta é uma grande ferramenta de visualização para saber,  em tempo real, de onde os tweets estão vindo  e descobrir novas pessoas para seguir.

Também é fascinante apenas sentar e olhar.

A Folha de S. Paulo, que comemora 90 anos em 2011, criou um infográfico animado explicando o processo pelo qual as notícias passam antes de serem publicadas no jornal (tanto em sua versão impressa como nos meios digitais).

Veja aqui o hotsite comemorativo criado pelo jornal.

Infográfico do Wall Street Journal explica como funciona o software, chamado “beacon”, que monitora os passos dos internautas – sem que estes se dêem conta – criando e vendendo perfis para diversas empresas. O infográfico não é excepcional. Encontrei problemas já no título que tem a leitura dificultada pela explicação do estudo (que poderia estar no início ou no final, mas não no meio do título).De qualquer forma, ele deixa bem claro o processo, através do qual, rastros de movimentação de usuários se transformam em informação e mercadoria.

No post anterior, apresentei alguns infográficos sobre os dados da pobreza no Brasil divulgados pelo IPEA. Vamos prosseguir com este tema. Logo abaixo, vemos o infográfico publicado na Revista Época online no dia 13, data em que o trabalho do IPEA foi publicado. Ele é superior ao do Estadão principalmente por dois motivos. Em primeiro lugar, há um esquema de cor que agrupa a pobreza absoluta, separando-a da pobreza extrema de um modo que fica mais fácil vislumbrar o comparativo dos anos analisados. Em segundo lugar, há um balão que detalha o percentual da maior e da menor queda da taxa de pobreza extrema. Uma informação adicional que amplia a compreensão do gráfico.

Pensando no infográfico da Época (acima) e nos demais que foram postados ontem, me perguntei o porque da “coincidência” de um mesmo tipo de convenção na representação dos dados. Encontrei a resposta no material distribuído pelo IPEA: a mesma forma de organização em barras. Reproduzo abaixo a tela do pp distribuido pelo IPEA e que serviu de base para a maioria dos infográficos produzidos.

Finalmente, assisti ao Jornal Nacional para ver como o principal programa jornalístico da TV aberta apresentaria os dados da diminuição da pobreza no Brasil. É importante ressaltar que estamos tratando de uma outra midia, capaz de apresentar a informação de forma sequencial, ou seja, ao “leitor” não lhe é oferecido a escolha do que irá ler e em que ordem. Assim, na parte da matéria do JN em que houve interferência da arte, assistimos a um detalhamento do que é pobreza extrema (1/4 do salário mínimo por pessoa) para, em seguida, vermos a apresentação de um gráfico da diminuição desta faixa de miseráveis. O gráfico é bem produzido (em 3D), mas está sobre um fundo excessivamente escuro e poderia se organizar de outra maneira de forma a evidenciar as diferenças. A seguir, o JN informa o que esta diferença significa em número de pessoas, uma informação muito útil e importante mas que poderia ter sido apresentada na continuidade do próprio gráfico de barras e não em uma outra tela.  Em seguida, o que é muito o perfil da mídia TV, exemplifica-se comparativamente duas região (e não todas, como na internet) e dois estados. Para cada conjunto de dados, o mapa do Brasil se move (TV é movimento!). Algo dispensável.

Estética de infografia e humor ácido na animação do japonês Kenichi Tanaka. A simplicidade dos traços é compensada pelo dinamismo da animação. Dica do Flávio Bezerra e do Vinicius Souza, alunos de Projeto: Design de Informação para TV.


LabVis no Facebook

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 34 outros seguidores