vislumbres sobre visualidade

Publicações

Artigo publicado no 7o. Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design
Paraná – 2006

Kosminsky, Doris. Estrelas da tecnologia: paradigmas tecnológicos da industrialização e sua influência na produção de conhecimento no campo do design.

Resumo: O presente trabalho se propõe a contribuir para a definição de uma
epistemologia do design, a partir da compreensão do papel exercido
pelas tecnologias e sua influência nas relações que envolvem o campo do
design. Delimitando-se três períodos de industrialização, considerou-se
uma tecnologia marcante de cada momento, respectivamente o ferro, a
eletricidade e o microchip. A utilização destas tecnologias foi analisada,
considerando-se sua influência no campo do design e a articulação social
estabelecida.
Palavras Chave: tecnologia, design, epistemologia
http://www.scribd.com/doc/35857021

Tese de doutorado em design

KOSMINSKY, Doris; Cipiniuk, Alberto; Villas Boas, Glaucia. O olhar inocente é cego. A construção da cultura visual moderna. Rio de Janeiro, 2008. 307p. Tese de Doutorado – Departamento de Artes, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

O momento atual traz em seu bojo uma enorme carga de excessos tecnológicos e estímulos sensoriais em uma construção simbiônica, algumas vezes percebida como ápice do projeto moderno, outras, compreendida como uma etapa posterior a este empreendimento – o pós-moderno. As novas tecnologias e suas mediações são seguidamente apontadas como agentes decisivos nas transformações do modo de olhar. Consideramos que apesar das tecnologias atuarem como agente catalisador de determinadas conseqüências, elas não chegam a caracterizar condição suficiente de possibilidade para que estas transformações possam se realizar em qualquer sociedade ou período. A nossa pesquisa sugere que o olhar moderno foi construído sobre um tripé formado pelas tecnologias modeladoras das relações tempo-espaço, pelas convenções que contribuíram para a sua compreensão e naturalização e por uma pedagogia que inculcou a abertura para o novo, de modo a garantir a perpetuação do modo de olhar resultante.

Este trabalho volta-se para o passado, buscando localizar continuidades e contradições da cultura visual contemporânea, considerando uma construção em camadas, isto é, os modos de olhar anteriores não são simplesmente superados, mas absorvidos nos modos subseqüentes. Neste contexto, examinamos dois momentos ou modos de olhar. O olhar ciclópico ou clássico, constituído ao longo da Renascença, fundamentado com a convenção da perspectiva e divulgado pela invenção da gravura e, o segundo modo, o olhar panorâmico, construído a partir da segunda metade do século XIX, arquitetado sobre as transformações urbanas, a profusão de objetos e imagens e a compressão tempo-espaço produzida pelas novas tecnologias de transporte e comunicação. Este novo olhar, ao mesmo tempo em que criou novas possibilidades perceptivas, também necessitou de processos de fixação e padronização, o que foi realizado através do desenvolvimento de uma pedagogia voltada para as instituições industriais e para o conceito de progresso. Neste processo, as Exposições Universais, realizadas a partir de 1851, tiveram atuação importante por tratar-se de um fenômeno basicamente visual e voltado para um público amplo. Sob este aspecto, as Exposições Universais sintetizam a experiência obtida posteriormente com outras tecnologias que se voltaram para a massa e, também, com o que foi conceituado como espetáculo.Palavras-chave

Design; olhar; cultura visual; modernidade; modernização; tecnologia.

Sumário

Capítulo 1

Capítulo 2

Capítulo 3

Capítulo 4

Capítulo 5

Referências bibliográficas

Dissertação de Mestrado

KOSMINSKY, Doris Clara; Coelho, Luiz Antonio L. A imagem da notícia.
Panorama gráfico do telejornal brasileiro: análise dos selos do Jornal
Nacional.
Rio de Janeiro, 2003. 116 p. Dissertação de Mestrado –
Departamento de Artes e Design. Pontifícia Universidade Católica do Rio
de Janeiro.

Resumo
O grafismo televisual brasileiro é reconhecido como uma importante tendência nas artes visuais. O design gráfico para telejornalismo, no entanto, apresenta uma especificidade. Ele deve considerar os mesmos compromissos com a ética e a veracidade da informação buscadas no texto jornalístico. O selo é o produto gráfico que melhor retrata a vinculação entre informação e estética. Ele é constituído por uma composição de elementos gráficos, colocada ao lado do apresentador ou âncora, com o objetivo de reforçar ou complementar o assunto que está sendo tratado. Nessa pesquisa foram selecionadas aproximadamente quatrocentas imagens de selos do Jornal Nacional, exibidas entre os anos de 1983 e 2002. Na análise do material obtido, identificamos cinco estilos gráficos, relacionados às técnicas empregadas na produção e exibição dos selos. A presente dissertação também avalia os selos como interpretações sintéticas de fenômenos sociais marcantes, além da trajetória estética e tecnológica.

Sumário

Capítulo 1

Capítulo 2

Capítulo 3

Capítulo 4

Capítulo 5

Capítulo 6

Referências bibliográficas


%d blogueiros gostam disto: