vislumbres sobre visualidade

Archive for the ‘animação’ Category

3 Dreams Of Black, do realizador Chris Milk, é um projeto experimental que demonstra as capacidades do WebGL do Google Chrome, levando a experiência interativa para o Pc(ou Mac) de qualquer um, com geometria tridimensional e livre controle de navegação em tempo real. Ou seja, você navega pelo videoclipe!

Há outros exemplos disso, também do Chris Milk, como o videoclip interactivo de “The Wilderness Downtown” da banda Arcade Fire.

Nota: para assistir aos vídeos, é necessário utilizar o Google Chrome.

Anúncios

Morphing City é uma visualização do tráfego nas ruas de Lisboa. O mapa da cidade foi interpretado criando uma estrutura que se deforma de acordo com a velocidade dos carros em movimento. O resultado se aproximaria de uma visão da percepção das distâncias e não mais um mapa geográfico.

 

 

Para realizar o vídeo foram analizadas as velocidades de 1534 veículos durante um mês e foi feito uma média para se obter um gráfico pelas horas. Assim podemos observar a cidade “inchando” na hora do rush. É interessante ver a cidade como um organismo vivo em constante mutação.

 

Conhecido na web graças aos “infográficos animados” que vem publicando ( Anatomia de um vírus de computador, por exemplo), Patrick Clair é um designer que vem se especializando no ramo de visualizações de dados. Atualmente trabalha na ABC australiana, produzindo visualizações para o programa de TV Hungry Beast.

Dirty Data

Posted on: 13/08/2011

Você já pensou o quanto de energia está gastando ao navegar na web?

A internet revolucionou nossas vidas, e a cada dia necessitamos mais dela para diversos fins no nosso dia-a-dia, mas o que acontece com a quantidade imensa de dados que geramos? Para maioria de nós, o conceito de computação em núvem, passa a impressão de que esses dados estão pairando pelo ar, ou vão para alguma outra dimensão, mas na verdade necessitam de imensos server farms para serem armazenados. Empresas como Google, Facebook e Amazon, utilizam enormes data centers que consomem tanta energia quanto uma indústria e a grande maioria delas ainda faz uso de energias poluentes e não-renováveis.

Há dois séculos atrás, quando deu-se o início  da Revolução Industrial, ainda não se sabia os danos que o uso de certas fontes de energia causariam ao meio ambiente. Hoje, a Revolução Digital acontece dentro de um contexto onde todos têm a consciência desses efeitos e dispomos de novos recursos e tecnologias que diminuem o impacto ambiental, mas ainda assim, empresas da vanguarda digital, continuam à consumir energia como nossos antepassados faziam.

fonte: How dirty is your data? (Greenpeace).

O vídeo de Patrick Clair, é um bonito e interessante infográfico que nos ajuda a visualizar melhor as dimensões desses fatos.

Oil’d

Posted on: 03/05/2011

Em 2010, houve um derramamento de óleo no Golfo do México de grandes proporções, considerado o pior na história dos Estados Unidos. Agora, com esse acontecimento completando um ano, o designer Chris Hammon decidiu fazer um levantamento da quantidade de petróleo desperdiçado e se disse chocado com o que descobriu.

Assim, ele criou uma animação chamada “Oil’d”, que apresenta de forma muito clara os possíveis destinos que seriam dados a esse petróleo, além de gerar uma discussão: até onde vai a nossa dependência por essa substância?

(via FastCo. Design)

A animação a seguir explica de forma simples a mudança proposta para o Código Florestal que será votada no congresso.

Trabalhando com recortes, a ideia é explicar as consequências das mudanças para a vida de todos e, assim, engajar as pessoas a votar contra as mudanças no Código.

OK, é um vídeo publicitário. Mas, a animação é muito boa e sofisticada apesar de sua aparente simplicidade. Além disso, as cores se encontram diretamente relacionadas ao banco.

(via Vinicius Souza)